O Sexto Estágio Interdisciplinar de Vivência está com suas inscrições abertas até o dia 15 de Novembro de 2011.

O Estágio acontecerá entre os dias 04 e 25 de Janeiro de 2012, e as vivências ocorrerão em áreas de acampamentos, pré-assentamentos e assentamentos do MST, e em núcleos do MPA.

O estágio é voltado para a formação militante de pessoas interessadas no movimento estudantil ou em  movimentos de juventude voltados para a transformação social.

O VI EIV ES é organizado por uma Comissão Organizadora composta por entidades e coletivos, afinados com a intencionalidade do estágio. As entidades construtoras do EIV são:

  • Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal – ABEEF
  • Centro Acadêmico Livre de Psicologia da UFES – CALPSI
  • Centro Acadêmico de Ciências Sociais da UFES – CACSO
  • Centro Acadêmico Livre de Serviço Social da UFES – CALSS
  • Coletivo Casa Verde
  • Executiva Nacional dos Estudantes de fisioterapia – ENEFi
  • Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
  • Movimento Passe Livre – MPL
  • Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA
  • Kapixawa

Além da Comissão Organizadora, apoiam o sexto EIV ES as seguintes entidades:

  • Rede de Educação Cidadão – RECID
  • Observatorio dos Conflitos no Campo
  • Diretório Central dos Estudantes da UFES – DCE UFES

Para se inscrever no V EIV ES, basta enviar para estagio.vivencia@yahoo.com.br a ficha de inscrição que se encontra no link abaixo. As vagas são limitadas de acordo com a estrutura que poderemos oferecer, portanto as inscrições serão pagas após a seleção dos estagiários. O Valor da inscrição será de R$ 30,00, ou mais, caso o estagiário possa contribuir com um valor maior que este.

A participação nos Pré-EIV’s é pre-requisito indispensável para participar do EIV. Os selecionados serão avisados das datas, e também postaremos aqui no blog do Estágio Interdisciplinar de Vivência do Espírito Santo.

inscrições: https://estagiodevivenciaes.files.wordpress.com/2011/10/ficha-de-inscricao-do-5c2ba-estagio-interdisciplinar-de-vivencia1.doc

Estudantes da Ufes se preparam para Estágio Interdisciplinar de Vivência em janeiro

Entre os dias 09 e 31 de janeiro, 25 estudantes irão participar do 5º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV), atividade que consiste na formação e na troca de experiências em áreas de movimentos sociais do campo, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).

Os participantes passarão por um momento de formação política na primeira semana do EIV, que ocorrerá na Escola Gomes Cardin, no Centro de Vitória. Entre os principais temas de estudo, estão Como funciona a sociedade; Universidade; Questão Agrária e Gênero. No segundo momento do EIV, os participantes serão deslocados para assentamentos e acampamentos do MST e para áreas de agricultura camponesa do MPA, onde ficarão alojados nas casas das famílias. Essas localidades ficam na região serrana e sul do Espírito Santo, além do município de Linhares.

De acordo com o estudante de Geografia, Heider Boza, o objetivo do EIV consiste na formação de militantes para atuar nos movimentos sociais e de juventude. “A partir da experiência de organização dos movimentos do campo, podemos pensar nossa organização. Além disso, é fundamental conhecermos as contradições da realidade do campo no nosso estado”, explicou Heider, que integra a Comissão Organizadora da atividade pelo Coletivo Casa Verde.

O EIV também contribui para a formação acadêmica dos participantes. “A vivência proporciona o contato com a realidade brasileira e sua apropriação para a atuação acadêmica, profissional e política do estudante”, destacou o integrante da Comissão Organizadora do EIV pelo Centro Acadêmico de Ciências Sociais, Fernando Leal. Ele também afirmou que a construção em parceria com os movimentos sociais amplia o diálogo da sociedade com a universidade.

Perfil dos participantes. Estudantes de diversos cursos irão participar do V EIV, o que confere o caráter interdisciplinar ao Estágio de Vivência. Geografia, Serviço Social, Psicologia, Arquivologia, Ciências Biológicas, Nutrição, Ciências Contábeis, Ciências Sociais, Fisioterapia e Engenharia Florestal são os cursos dos participantes.

Comissão Organizadora. As entidades organizadoras do V EIV são a Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal (ABEEF), Centro Acadêmico Livre de Psicologia da UFES (CALPSI), Centro Acadêmico de Ciências Sociais da UFES (CACSO), Kapixawa, Coletivo Casa Verde, Movimento Passe Livre (MPL), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA). Entre as entidades apoiadoras estão a Federação das Entidades do Movimento Estudantil de História (FEMEH), Executiva Nacional dos Estudantes de Fisioterapia (ENEFi), Observatório dos Conflitos no Campo, Diretório Central dos Estudantes da UFES (DCE) e Adufes.

O Quinto Estágio Interdisciplinar de Vivência está com suas inscrições abertas até o dia 25 de Novembro de 2010.

O Estágio acontecerá entre os dias 09 e 31 de Janeiro de 2011, e as vivências ocorrerão em áreas de acampamentos, pré-assentamentos e assentamentos do MST, e em núcleos do MPA.

O estágio é voltado para a formação militante de pessoas interessadas no movimento estudantil ou em  movimentos de juventude voltados para a transformação social.

O V EIV ES é organizado por uma Comissão Organizadora composta por entidades e coletivos, afinados com a intencionalidade do estágio. As entidades construtoras do EIV são:

  • Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal – ABEEF
  • Centro Acadêmico Livre de Psicologia da UFES – CALPSI
  • Centro Acadêmico de Ciências Sociais da UFES – CACSO
  • Kapixawa
  • Coletivo Casa Verde
  • Movimento Passe Livre – MPL
  • Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
  • Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA

Além da Comissão Organizadora, apoiam o Quinto EIV ES as seguintes entidades:

  • Federação das Entidades do Movimento Estudantil de História – FEMEH
  • Executiva Nacional dos Estudantes de fisioterapia – ENEFi
  • Observatorio dos Conflitos no Campo
  • Diretório Central dos Estudantes da UFES – DCE UFES

Para se inscrever no V EIV ES, basta enviar para estagio.vivencia@yahoo.com.br a ficha de inscrição que se encontra no link abaixo. As vagas são limitadas de acordo com a estrutura que poderemos oferecer, portanto as inscrições serão pagas após a seleção dos estagiários. O Valor da inscrição será de R$ 30,00, ou mais, caso o estagiário possa contribuir com um valor maior que este.

A participação nos Pré-EIV’s é pre-requisito indispensável para participar do EIV. Os selecionados serão avisados das datas, e também postaremos aqui no blog do Estágio Interdisciplinar de Vivência do Espírito Santo.

FICHA DE INSCRIÇÃO DO 5º ESTÁGIO INTERDISCIPLINAR DE VIVÊNCIA

CONSTRUÇÃO DO 4° EIV – ES

CARTA CONVITE AOS MOVIMENTOS SOCIAIS DO IV ESTÁGIO INTERDISCIPLINAR DE VIVÊNCIAS – ES

17 de setembro de 2009

Companheiros e Companheiras Há algum tempo, estudantes universitários e militantes dos movimentos sociais camponeses têm realizado o Estágio Interdisciplinar de Vivencia (EIV), que é para alguns um instrumento importante de formação de novos militantes, pelo conteúdo formativo e metodologia ao qual este veio sendo construído até presente momento, além disso, um espaço de disputa ideológica visto que se insere na dinâmica de correlação de forças dos movimentos sociais e populares com o movimento estudantil e organizações políticas no território ao qual ele é realizado. Por ser este instrumento complexo e de diversas dimensões, nó estudantes universitários, militantes, trabalhadores e trabalhadoras, e sobretudo ex-estagiários, nos reunimos, refletimos e compartilhamos qual a significação que este possui para nós, e partir da troca de experiências e análises de todos os Eiv’s realizados em nosso estado, amadurecendo politicamente pontuamos algumas reflexões chegando a vários pontos comuns, que para além das avaliações individuais o EIV coletivamente para nós representa a possibilidade do encontro dos saberes popular e acadêmico, mas um encontro que necessita nas sua essência romper os protocolos, métodos, e concepções tradicionais sobre a educação e prática política, sobretudo a práxis humana. Por possibilitar uma experiência impar, vivenciar uma a realidade muitas vezes distinta do cotidiano ao qual vivemos, é importante para o “desapertar”, ou “dar um salto” ao que pode ser chamada de processo de conscientização ou tomada de consciência, que significa a apreensão da dimensão dos seres humanos como sujeitos de sua própria história, e artífices da história humana. Para alguns o EIV é importante para formação da consciência, para outros estratégico na construção e disputa da consciência coletiva, ou ambas as dimensões. Para nós ele significa a oportunidade de a partir da troca, da vivencia diária do trabalho e cultura camponesa, construirmos novas relações que possibilitem a construção de propostas coletivas para o desenvolvimento de uma nova sociedade. A sensibilização pela luta de ambos os lados, estagiários e camponeses permite que o encontro das utopias seja motor para a construção dessa nova sociedade. Nessa relação podemos com EIV, formar, conscientizar, e possibilitar a construção de uma nova sociedade, no debate sobre o atual modo de vida, na reflexão e ação sobre a nossa relação com o mundo e a natureza, através da agroecologia, da permacultura, da valorização da cultura popular, na articulação de lutas unificadas com as possibilidades ruptura e de transformação, na construção de alianças e redes organização. Para Paulo Freire a “conscientização é um compromisso histórico, também consciência histórica: é inserção crítica na história”. Percebemos que também que é necessário valorizar esse espaço e aproximar cada vez mais os participantes, movimentos e entidades envolvidas, pontuamos a importância da participação efetiva dos movimentos na construção do EIV, da importância da inserção das escolas famílias agrícolas no processo construção do estágio de vivencia para ampliarmos o debate sobre educação popular e possibilidades de parcerias. Propomos que possamos amadurecer a idéia de realizar a vivencia não apenas em áreas de reforma agrária e pequenos agricultores, mas em aldeias indígenas, territórios quilombola e culturas tradicionais (comunidade de pescadores), para que encontremos a nossa própria história, pelo resgate histórico de luta pela terra no ES que envolve a luta dos sem terra, dos pequenos agricultores, dos índios, dos quilombolas, dos pescadores, enfim, das gentes do campo e da cidade contra a exploração desenfreada e modo de vida desumanizador. Para que possamos concretizar esses e outros anseios precisamos dos movimentos ativamente trazendo reflexões, propostas, anseios, portanto convidamos para que somem conosco, para que no encontro das utopias permitamos-nos sensibilizar sobre nossas possibilidades de ruptura e construção do novo a partir da reflexão crítica e ação árdua na luta contra exploração. Permitamos-nos sonhar coletivamente, pois o sonho produz esperança e projeta na vida diária o alvorecer do novo, mantêm acesa a chama da possibilidade de ruptura.

Comissão Organizadora do IV EIV

INFORMAÇÕES:

Este ano estamos na articulação com outros espaços de vivência – em comunidades tradicionais quilombolas e indígenas do nosso estado!!


DATA PREVISTA PARA O 4° EIV – ES

18/01/2010   a  04/02/2010


18  a 24 de janeiro – etapa de preparação

24 a 02 de fevereiro – vivência nas áreas

02  a 04 de  fevereiro – retomada para socialização

LOCAL DA PREPARAÇÃO,  RETOMADA E ÁREAS AINDA ESTÃO SENDO DEFINIDOS!

(observação:  o eiv é aberto a estudantes de  todas as faculdades e de qualquer lugar do país e secundaristas tb… não é fechada a estudantes da ufes!!

FIQUE DE OLHO E DIVULGUE…=)



OFICINAS DE APRESENTAÇÃO DO ESTÁGIO INTERDISCIPLINAR DE VIVÊNCIAS:

CAMPUS GOIABEIRAS: 16/10/2009

Fizemos um histórico geral dos eivs anteriores e dos eivs no brasil… depois socializamos nossas experiências enquanto “ex” estágiárias/os na construção deste instrumento,  apontamos um pouco nossas perspectivas, por que achamos importante construir o eiv, sua  relevância política para o próprio movimento estudantil e em que  dimensão  o ultrapassa, como estamos nos organizando, como é a articulação com os movimentos, com os recursos, enfim como se dá todo o processo. A  companheira Rose do  Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) que acompanhará o eiv es compareceu e deu uma ótima contribuição de visão política, falou sobre o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e animou o povo!!

Rolou também um bom debate, perguntas, dúvidas e assistimos o vídeo do EIV-MG e nem deu pra sair uma cultural!! Mas foi massa … deu uma galera do Serviço social, geografia,  história e é isso ai!!

(vizualize as fotos no álbum)

CAMPUS ALEGRE: 23/10/2009

Tivemos a presença de um bom grupo, com estudantes de biologia, agronomia, florestal, nutrição, veterinária, eng. madeireira, matemática e outros. Infelizmente as organizações e movimentos convidados não participaram.

Inicialmente rolou uma mística,  bate papo sobre eiv e histórico e talzz…. assistimos o vídeo do eiv sp e após mais falazada sobre esta proposta “maluca” de estágio. Várias dúvidas e idéias surgiram e foi de boa…

A cultural tbm foi massa, rolou uma boa integração no CEU e muita, muita música. Vários instrumentos, frutas, comes, vinho, cachacinha, água… Foi massa.

Terão outras OFICINAS de apresentação em BREVE nos campus de Goiabeiras de novo, Maruípe e possivelmente São Mateus!

Além de neste ano irmos pras áreas dos movimentos fazer oficinas de interação com as famílias que receberão os/as estágiários/as!!

IREMOS SOCIALIZAR AQUI A SÍNTESE DAS DISCUSSÕES QUE A COMISSÃO ORGANIZADORA ESTÁ FAZENDO ACERCA DO ESTÁGIO –  AS ETAPAS, FORMAÇÃO, ÁREAS DE VIVÊNCIAS, RETOMADA, FACILITADORES, VÍDEOS… ACOMPANHE!!!

ABRAÇOS DE LUTA!

EIV-2010!



O EIV é divido em três fases:

Preparação: é um seminário concentrado em que os estagiários participam de espaços políticos, teóricos e práticos, que vão incitá-los a refletir sobre a sociedade e os valores nela presentes, e prepará-los para a posterior fase de vivência. A metodologia utilizada é a divisão dos estagiários em brigadas, em que, coletivamente, irão realizar os debates, as discussões e as tarefas.

Vivência: serão 10* dias em que os estagiários irão vivenciar a realidade dos trabalhadores rurais  e das comunidades tradicionais índigenas e quilombolas** do Espírito Santo. Nessa etapa, os estudantes não mais estarão em um grupo, sendo distribuídos em assentamento ou acampamento do MST, em áreas do movimento dos pequenos agricultores (MPA), e neste próximo estágio em comunidades índigenas e quilombolas. O estagiário ficará todo o período da vivência na casa de um/a camponês, convivendo com sua família que receberá todas as orientações necessárias para recebê-lo.

Retomada: nesta fase, os estagiários voltam das áreas em que fizeram a vivência e socializam as experiências por eles passadas num caráter avaliativo e reflexivo.

A proposta é construir um estágio que possua um caráter de mútuo intercâmbio político, cultural e profissional entre a Universidade e os Movimentos Sociais Populares do Campo, e que contribua para o avanço na construção de um novo modelo de sociedade.

*serão 10 dias: com a avaliação realizada neste ano sobre os outros estágios, conseguimos perceber a necessidade de se aumentar a vivência dos/as estagiérios/as em 3 dias! Antes era uma semana… achamos que fará diferença tanto para os laços que serão construídos quanto para a percepção do estagiário e da relação com os movimentos!

**comunidades indígenas e quilombolas: áreas que estamos avançando na articulação para serem espaços de vivências!

EIV – ES

%d blogueiros gostam disto: